Quem sou eu?

Minha foto
São Paulo, São Paulo, Brazil
Sou portador de necessidades especiais decorrente de uma alteração genética no sistema nervoso central, que afeta a coordenação motora, o equilíbrio e a fala. Minha doença leva à degeneração cerebelar. Não há cura e, com o passar do tempo, as dificuldades de locomoção e comunicação aumentam. Portanto uma doença degenerativa. Mas a alegria e a esperança caminham lado a lado comigo.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Aprenda a escutar

Aprenda a escutar

Não há delícia maior do que perceber alguém nos escutando, com toda a atenção.

É um prazer encontrar uma pessoa que
acompanhe cada palavra do que estamos dizendo e é capaz de nos compreender –
com todo o coração.

Se é bom ser escutado, também é ótimo escutar,
estar disponível para o outro, com toda a tranqüilidade.

“Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito.
É preciso também que haja silêncio dentro da alma”,
escreveu o poeta português Fernando Pessoa sob o pseudônimo de Alberto Caiero.

É isso – silêncio dentro da alma.

Não dá para escutar ninguém se os pensamentos estão nos atropelando sem cessar,
se estamos pensando no que temos de fazer daqui a pouco.

É preciso estar calmo, aberto,
atento ao momento presente para poder ouvir com atenção.

“Escutar é uma experiência transformadora. É testemunhar a existência”,
diz o psicólogo e professor paulista Miguel Perosa.

Ele garante que aprendemos muito sobre nós mesmos
ao ouvir os outros...

Quando a gente ouve alguém com atenção, dá o sinal verde para a pessoa se abrir.

A relação de troca que se forma então é muito mais
rica e profunda...

Escutar é mesmo um grande exercício – que, infelizmente, poucos dominam...

Saber escutar é esquecer um pouco de si mesmo enquanto o outro fala.

Quem fala demais não deixa o outro falar.

E, é claro, não abre espaço para ouvir.

Para desenvolver esse silêncio interior,
tão necessário para o florescimento dessa arte, existem vários caminhos.

Alguns podem aprender a escutar ouvindo com atenção os sons da natureza:
o murmúrio de um rio, o barulho da chuva.

O compositor carioca Tom Jobim, por exemplo, aprendeu a ouvir com os pássaros.

Ele costumava se embrenhar pelas matas brasileiras
munido de gravador e flauta transversal.

Queria justamente atrair a atenção dos passarinhos para depois escutá-los com calma.

Jobim acreditava que as aves emitiam o canto mais sagrado
da natureza.

Para ele, todas as melodias provinham daquele cantar.

Escutar os pássaros, então,
funcionava como um exercício de refinamento interior,
além de aprimorar o ouvido.

Diante deles, a ansiedade desaparecia para dar lugar ao encantamento.

Finalmente, conseguia ficar em silêncio, sem dar um pio.

E depois aplicava esse aprendizado ouvindo atentamente as pessoas...
(da)



Um Projecto de Solidariedade so se constroi de maos dadas....e escutando os intervenientes, no momento exacto!!!

4 comentários:

Rejane-Enajer disse...

Bom dia Luiz
Navegando pela NET deparei-me com teu Blog e tive o prazer de conhecer tua maravilhosa sabedoria de viver.És um exemplo de superação, e por isto, estou levando um tanto daqui (sem pedir a tua autorização ) para o meu Blog , pois acredito que tesouros não podem ficar escondidos, devem ser partilhados.Esta matéria, assim como dois dos teu videos , estarão no Blog :Eles e Elas
escreveram ... e caso vc não concorde, é só entrar em contato comigo por e-mail ou mesmo pelo Blog, que eu retirarei sem o menor problema. Parabéns e um grande abraço!!
Rejane

delgado disse...

Olá Luiz!
Quero de coração te agradecer pela maravilhosa palestra que realizou em nossa cidade (Ribeirão Branco).
Tenho certeza que teu exemplo de vida fará diferença na vida de todos que foram abençoados pela oportunidade de te ouvir.Parabéns! Que Deus te ilumine para que possas continuar levando luz para vida das pessoas.Abraços!!

odilonalencar disse...

Odilon

Caro Luiz.

Simples, lúcido e cheio de encatamento esata forma que voce percebe a importancia do ESCUTAR.
Na minha cidade tem um lugar onde, quando chove, sapos, rãs e gias transformam-se numa orquestra encantada sob abatuta da mãe natureza.
Fico lá longos minutos nos dias em que a orquestra se apresenta. Quando saio é como se tivesse realmente banhado a alma com bons fluidos. Sinto-me leve e em sintonia com a vida.
Na praia, fecho os olhos e fico a escutar toda aquela "algazarra" de ambulantes, crianças, pais, musicasm tudo tendo como fundo o quebrar das ondas sobre a areia da praia. E legal também.

Por fim, sempre procuro escutar as pessoas com atenção. Às vezes ruidos internos e/ou externos atrapalham, mas esforço-me sempre.

Aprendí que a melhor maneira de diminuir a prolixidade existente em algumas pessoas é fazer perguntas protivas sobre o tema que a façam responder com mais objetividade.

e por ai vai..............

lourdes disse...

Preciso aprender a aprender ouvir. obrigada